Será que você precisa dizer “não” mais vezes? Faça o teste e descubra

Dizer “sim” é uma coisa muito poderosa. Em geral, ao fazer isso, você está abrindo um espaço de oportunidades que pode ser aproveitado em seu benefício – e também em benefício do seu interlocutor.Isso é particularmente verdade quando falamos do atendimento ao consumidor. O “sim” e suas variantes, como por exemplo “me dê um momento para eu tentar resolver”, funciona como uma maquininha de garantir a satisfação do cliente – e fazê-lo retornar mais vezes para comprar de você.

Mas não se iluda: dizer “não” no momento certo também pode ser uma fonte de muito poder. Principalmente do ponto de vista pessoal.

Ao contrário do que se fala, o dia não tem 24 horas. Considerando o tempo dedicado à alimentação, ao sono, ao necessário descanso e àquelas atividades que não dá para adiar, sobram alguns minutos por dia.  Saber dizer “não”, portanto, pode determinar se você está ou não, digamos assim, sentado no banco do motorista ou no banco do passageiro de sua própria vida.

Essa imagem foi empregada por diz Vanessa M. Patrick, professora associada de marketing no C.T. Bauer College of Business da Universidade de Houston. Essa usa a expressão “sensação de empoderamento” para descrever o fato de você determinar quando e para quem deve dizer “não” ao estabelecer bem suas prioridades e seus objetivos.

Ela sugere, no caso de você suspeitar que “pessoas agradáveis” estão se aproveitando de você, fazer a si mesmo quatro perguntas. As respostas vão determinar, segundo ela, onde você está no “’gráfico da necessidade de dizer não” e também quais os próximos passos você deve dar para continuar progredindo pessoalmente.

1. Você acha difícil dizer “não” mesmo quando você quer fazer isso?

Esse é um sinal claro de que você é um “agradador”, ou seja, quer ser legal o tempo todo, fazer as pessoas felizes e quer ajudar outras pessoas. O que não é exatamente ruim, certo?

Mas há o risco de algumas pessoas, às vezes até de forma não totalmente consciente, “lerem” a sua personalidade e buscarem se aproveitar de você, tomando seu tempo o máximo possível sem qualquer consideração por suas necessidades e limites.

É muito importante que você comece a ser atencioso com uma pessoa que está sendo deixada de lado – você mesmo!

Se necessário, ensaie, utilizando situações em que há pouca coisa em risco. Que tal, por exemplo, dizer um NÃO bem grande na próxima vez que um operador de telemarketing ligar para você. 

2. Você costuma dizer “não” com expressões e linguagem corporal que podem ser confundidas com um “sim”?

Quem acha difícil dizer “não”, quando se sente obrigado a isso, costuma fazer isso de uma maneira que não transmite convicção.  “Eu gostaria, mas não posso.” “Não sei, talvez eu…” Uma pessoa agressiva ou manipuladora pode usar as brechas – e, de repente, você levando seu colega / primo / companheiro de quarto para o aeroporto , mesmo que seja fora do seu caminho e vá estragar completamente sua agenda.

Nesse caso, ensaiar é indispensável. Você vai ter que treinar como dizer seu não com mais convicção. Patrick sugere que se tente a fórmula “Não, eu não…”, terminando a frase com uma regra que você segue: “Não, eu não sirvo de babá durante a semana / edito de graça / lido com questões pessoais durante horas de trabalho / perco prazos para fazer favores”.

Esse método é uma maneira mais eficaz de evitar pessoas insistentes do que usar a frase “Eu não posso”, diz Patrick. Mas você se achar isso muito difícil de lembrar, basta ser firme e repetir: “Não. Espero que você ache ajuda.

3. Você precisa frequentemente de aprovação ou espera que todos gostem de você?

Não ser capaz de dizer “não” costuma esconder um medo profundo. É normal querer aprovação, desejar que os outros nos admirem.

Mas quando essa necessidade é crônica significa que existe um problema muito maior por trás. De acordo com a Dra. Sherry Pagoto, titular de medicina preventiva e comportamental da Universidade de Massachussetts, agradar todo mundo, todo o tempo, tem uma raiz profunda no medo de sermos rejeitados, fracassarmos e nos decepcionarmos.

A solução começa, como na sugestão para a primeira pergunta, com a decisão de que, se você não pode agradar a todos, tente agradar você mesmo.

4. Você costuma encontrar-se preso em conversas, situações ou relacionamentos dos quais você não queria fazer parte?

A maioria de nós pode responder “sim” a essa questão. Mas é bom se perguntar: quanto tempo, energia, sentimentos e recursos você quer dar de graça para alguém de quem você quer fugir para que ele não se sinta chateado ou ferido?

Primeiro, tente não entrar na situação em primeiro lugar. No trabalho, você tem algum controle ao anunciar, no início de uma reunião, que tem que sair em meia hora, ou respondendo os emails em seu próprio ritmo. Em qualquer outra situação, no entanto, você pode dizer: “Isso merece mais tempo e atenção do que eu tenho agora, então vamos falar sobre isso em outro momento”. E sair de lá.

Se você estiver em uma relação tóxica, a coisa é um pouco mais complicada – é chamada de tóxica por uma razão, certo? Mas você vai descobrir que há uma certa magia na repetição da palavra “não”. Diga “não” aos pedidos para os encontros presenciais, “não” para as ligações telefônicas e textos e “não” para tudo o resto. Isso pode desbloquear um novo mundo de autoconfiança, produtividade e realização.